Mostra Visual de Poesia Brasileira - Poéticas Sonoras Verbais Visuais


11/11/2006


vemmer além da alma - césar castro: transpirações gráficas

No Tratado das Grandezas do Ínfimo estava
escrito:
Poesia é quando a tarde está competente para dálias.
É quando
Ao lado de um pardal o dia dorme antes.
Quando o homem faz sua primeira lagartixa.
É quando um trevo assume a noite
E um sapo engole as auroras.

 MANOEL de BARROS

http://almadepoeta.com/fulinaima.htm

 

Escrito por arturgumes às 19h52
[ ] [ envie esta mensagem ]

vermmer além da alma - césar castro: trasnspirações gráficas

desafio

a página branca angústia já não me dá
agora é puro desafio

essa brancura feita de papel
não me dá mais frio

mas gana de batalha: ela armada
com sua brancura

eu com minha caneta
e minha loucura

 

Wanda Lins de Albuquerque

http://almadepoeta.com/fulinaima.htm

 

Escrito por arturgumes às 19h08
[ ] [ envie esta mensagem ]

09/11/2006


foto: artur gomes

O destino das pernas

O alfabeto alheio das pernas
que vão se chegando, somando-se
ao murmúrio de outras
que se comunicam
entre ânsias e seduções, pernas
que fisgam a ilusão precisa
em cada moenda de gestos,
o alfabeto delas,
lustrando suas letras,
a serem gastas no ardil do desejo.

floriano martins

http://almadepoeta.com/fulinaima.htm

 

Escrito por arturgumes às 20h49
[ ] [ envie esta mensagem ]

foto: andréa motta

Construção

faço poesia
como quem brinca
visto-me de cores
desejos
amores
toque na pele
que arrepia

traço versos
como quem brinda
a alma da vida
prazeres
tesouros
todos favores
do universo

teço o poema
como quem pinta
cor, luz, sombra
sangue
utopia
mais um quadro
à venda

ao certo
o poema é quem brinca
pinta e brinda
ele me tece
me traça
e me faz
um verso

Luiz Fernando Prôa

http://almadepoeta.com

http://almadepoeta.com/fulinaima.htm

 

Escrito por arturgumes às 19h09
[ ] [ envie esta mensagem ]

foto: andréa motta

Poesia Viva


precisou que te fosses
para que a poesia
renascesse em mim

enquanto estiveste ao meu lado
ela existia
tinha um corpo que dançava
olhos que abraçavam
mãos que me erguiam
e chamava-se Alice

 

Helena Ortiz

http://almadepoeta.com/fulinaima.htm

 

Escrito por arturgumes às 17h16
[ ] [ envie esta mensagem ]

Escrito por arturgumes às 13h26
[ ] [ envie esta mensagem ]

07/11/2006


vermmer além da alma - césar castro: trasnpirações gráficas

Beijo da lua

Beijo da lua
Num sol incandescente
Diante da terra fria
Recebendo com ternura
Caricias imutáveis das ondas
Que na areia desliza
Quebrando a monotonia
Articulando em carinhos
Sensações subterrâneas
No espírito amante
Línguas de raios inflamam
Lábios sorridentes
Corpos fluem....
Na extensão desse beijo
Infinito instante
Tatuando a paixão....
No cerne da alma

 

Eliana de Faro Valença

http://almadepoeta.com/fulinaima.htm

 

Escrito por arturgumes às 01h19
[ ] [ envie esta mensagem ]

06/11/2006


hugo pontes

 

Transfiguração

Em inicio aqui estamos
Pregados no paredão do mundo
Entalado no pescoço do abismo
Criatura espetada no tempo
Lanhada em chicote
Berra de chorar seco em pó
Couro esticado do bicho
Sal curtido em ervas na carne
Lacre perpétuo da sanidade
Retrato meu


MARKO ANDRADE

http://almadepoeta.com/fulinaima.htm

 

 

Escrito por arturgumes às 21h22
[ ] [ envie esta mensagem ]

Leminski Ana 9

para Marisa Francisco

 

o estado pode ser de choque

ou quem sabe até de surto

o soco pode ser no estômago

a facada for ferir o fígado

o bandido me assaltar na via

o sangue explodir na veia

a vodka só me der asia

todo instante que vier eu curto

a palavra que pintar eu furto

tudo o que eu faço é poesia.

 

Artur Gomes

http://arturgomes.zip.net

http://almadepoeta.com/fulinaima.htm

 

Escrito por arturgumes às 18h27
[ ] [ envie esta mensagem ]

05/11/2006


eliane maria pasquetti

 

De braços abertos

esse par de braços
que estendo
abraça o mundo
enquanto é tempo
sei que cada momento
é tudo o que tenho
e o agora tudo que existe

de braços abertos
me entrego
e abraço os amigos
enquanto os vejo
no recanto seguro
do que amo e sinto
a alma, espaço sem limites

mesmo quando estou triste
e o pranto é tanto
e a dor é toda
não sei como nem quanto
guardo nos braços um abrigo
me curo, me dando

esse é meu gesto
exponho o peito sem medo
sem dúvida, inteiro
e a quem queira
me entrego"


Luiz Fernando Prôa

http://almadepoeta.com

http://almadepoeta.com/fulinaima.htm

 

Escrito por arturgumes às 11h22
[ ] [ envie esta mensagem ]

pompéia

Poeta, presente do indicativo do
verbo poetar

Que sigas poetando!
Amigo poeta,
a dor mais dolorida
abranda e acalma
no bálsamo dos versos.

Que sigas poetando!
A verdade de alguém
de todos é lenda,
se para um é caminho,
do outro é a senda.

Que sigas poetando!
É saga, é momento,
é viela, é rua, é alameda
por onde desfilam idéias
na carruagem do sentimento.

Que sigas poetando,
bardo valoroso,
que ao cantares o passado
inauguras um dia novo
e o futuro inventas.

 

Paulo Renato

http://almadepoeta.com/fulinaima.htm

 

Escrito por arturgumes às 11h16
[ ] [ envie esta mensagem ]