Mostra Visual de Poesia Brasileira - Poéticas Sonoras Verbais Visuais


16/03/2007


Esbarra aí

 

Desassossego

de redemoinho

que esse gostar

gera em mim

me esfrangalha

me aparta

para novamente

me ajuntar

no terreiro

do teu corpo

 

Ventania

de espanto

que teu olhar

causa na minha alma.

Despenteia

minha mansidão

e me faz rodopiar

nos teus quintais

FLORidos de desejanças

 

Lilia Diniz

http://poeticas.zip.net

http://liliadiniz.zip.net

Escrito por arturgumes às 08h24
[ ] [ envie esta mensagem ]

15/03/2007


Vazio

passo pela madrugada
como quem passa fome
à caça de um gesto
de um som
de horizonte

vasculho o escuro
cada canto do abismo
busco restos do que sinto
sobras de amor
um rumo

nas estrelas um destino
um brilho calado na noite
hoje é tempo longe
agora
apenas frio

há sede na madrugada
e uma fonte não sei onde
o alimento se esconde
e nos olhos
água

Luiz Fernando Prôa
http://www.almadepoeta.com
Comunidade Site Alma de Poeta:
http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=18115260

Escrito por arturgumes às 14h52
[ ] [ envie esta mensagem ]

13/03/2007


Em passar sua vagínula sobre as pobres coisas do chão, a
lesma deixa risquinhos líquidos...
A lesma influi muito em meu desejo de gosmar sobre as
palavras
Neste coito com letras!
Na áspera secura de uma pedra a lesma esfrega-se
Na avidez de deserto que é a vida de uma pedra a lesma
escorre. . .
Ela fode a pedra.
Ela precisa desse deserto para viver

Manoel de Barros

http://almadepoeta.com/fulinaima.htm

 

Escrito por arturgumes às 12h18
[ ] [ envie esta mensagem ]

12/03/2007


Curto/circuito

 

quem disse que amor

é mudo

surdo

cego

não sabe o que carrego

em meu estado de surto

 

Artur Gomes

http://arturgomes.zip.net

http://almadepoeta.com/fulinaima.htm

 

Escrito por arturgumes às 15h45
[ ] [ envie esta mensagem ]

Metáfora

Uma lata existe para conter algo
Mas quando o poeta diz: "Lata"
Pode estar querendo dizer o incontível

Uma meta existe para ser um alvo
Mas quando o poeta diz: "Meta"
Pode estar querendo dizer o inatingível

Por isso, não se meta a exigir do poeta
Que determine o conteúdo em sua lata
Na lata do poeta tudo nada cabe
Pois ao poeta cabe fazer
Com que na lata venha caber
O incabível

Deixe a meta do poeta, não discuta
Deixe a sua meta fora da disputa
Meta dentro e fora, lata absoluta
Deixe-a simplesmente metáfora

Gilberto Gil

http://arturgomes.zip.net

http://almadepoeta.com/fulinaima.htm

Escrito por arturgumes às 15h41
[ ] [ envie esta mensagem ]