Mostra Visual de Poesia Brasileira - Poéticas Sonoras Verbais Visuais


11/11/2007


 

Baby é Cadelinha

 

devemos não ter pressa

a lâmina acesa sob o esterco de vênus

onde me perco mais me encontro menos

visto uma vaca triste

como a tua cara

estrela cão gatilho morro:

a poesia é o salto de um vara

 

devemos não ter pressa

a lâmina acesa sob os demônios de eros

onde minto mais porque não veros

fisto uma festa mais que tua Vera

cadela pão meu filho forro:

a poesia é o auto de uma fera

 

devemos não ter pressa

a lâmina acesa sob os panos quem incesta

perfume o odor final do melodrama

misto uma merda amais que tua garra

panela estrada grão socorro:

a poesia é o fausto de uma farra

 

Artur Gomes

http://youtube.com/carnavalha

mais vídeos fulinaímicos aqui:

http://youtube.com/fulinaima

 

Escrito por arturgumes às 11h11
[ ] [ envie esta mensagem ]

Baby é Cadelinha - poema de Artur Gomes musicado e cantado por Naiman

Escrito por arturgumes às 11h05
[ ] [ envie esta mensagem ]

De Árvores e De Poetas - um filme de Jiddu Saldanha, filmado na cidade de Bento Gonçalves-RS, durante o XV Congresso Brasileiro de Poesia - outubro de 2007

Escrito por arturgumes às 09h01
[ ] [ envie esta mensagem ]

bolero blue

 

beber de conhac

em tua boca

para matar a febre

nas entranhas entre os dentes

indecente

é a forma que te como

bebo ou calo

e se não falo quando quero

na balada ou no bolero

não é por falta de desejo

é que a fome desse beijo

furta qualquer outra palavra presa

como caça indefesa

dentro da carne que não sai

 

arturgomes

http://youtube.com/carnavalha

mais vídeos fulinaímicos aqui:

http://youtube.com/fulinaima

Escrito por arturgumes às 08h33
[ ] [ envie esta mensagem ]

Mayara Interpreta Artur Gomes

Escrito por arturgumes às 08h29
[ ] [ envie esta mensagem ]

AB Sinto A Dois - Joaquim Palmeira e Artur Gomes

Escrito por arturgumes às 08h19
[ ] [ envie esta mensagem ]

Preto Nu Branco

 

                não leia

          de arranco:

opresso é

               o poema:

          eco

mas a poesia

                    salta

              do branco

         - ecco!

 

tanto nas tetas

- e aproveite:

 

                 são

     compassos

os pretos

             dispersos

           nu

branco

             retretas

        leite

submerso

 

Ronaldo Werneck

In Selvaggia

www.ronaldowerneck.com.br/ha_controversias

 

 

Escrito por arturgumes às 08h06
[ ] [ envie esta mensagem ]